A ministra do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Cármen Lúcia determinou a suspensão de uma propaganda do presidente Jair Bolsonaro (PL) veiculada na sexta-feira (14) em que informava que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pretende flexibilizar a legislação para facilitar o aborto.
Os dois disputam o segundo turno das eleições presidenciais deste ano. A peça dizia que “Lula quer mudar a lei e incentivar a mãe a matar o próprio filho no seu próprio ventre”, o que foi considerado pela ministra do TSE um conteúdo falso e uma distorção dos fatos.
“A afirmação não corresponde a dados verídicos nem comprovados, não havendo comprovação de que o candidato tenha declarado, prometido ou apresentado projeto de governo no sentido de promover a alteração da lei que cuida do tema do aborto. Tampouco se apresentam outros elementos aptos a demonstrar (que essa) seja essa sua vontade ou decisão”, disse a magistrada na decisão.
Cármen Lúcia proibiu ainda que o material seja divulgado por qualquer meio de propaganda eleitoral. Segundo a defesa de Lula, o ex-presidente declarou ser contrário ao aborto durante o horário eleitoral na TV.
Prêmio Os + Admirados da Imprensa!
O Money Times é finalista em duas categorias do Prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças. O site concorre na categoria Canais Digitais e com o jornalista Renan Dantas na categoria Jornalistas Mais Admirados. Deixe seu voto aqui!
Última atualização por Olivia Bulla – 15/10/2022 – 15:44

source