Siga o Suno Notícias nas redes:
Notícias Política Eleições 2022: o que Lula e Bolsonaro propõem para substituir teto de gastos
Siga-nos no
Siga-nos no
Para ambos os candidatos que disputam a presidência da República, a regra que segura os gastos públicos será revista. Ao todo, entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), são quatro propostas, com um denominador comum: permitir o crescimento das despesas acima da inflação, o que hoje é proibido.

No que se diferem, a equipe de Bolsonaro trabalha para atrelar a nova regra ao endividamento, enquanto a de Lula estuda retomar o superávit primário como o balizador das contas públicas.
Na agenda econômica, a definição da nova âncora fiscal em substituição ao teto de gastos é tema central e alvo da atenção dos agentes econômicos pelo impacto na definição das políticas públicas e dos programas.
Quem for eleito terá de mudar a Constituição. E para isso precisará do apoio do Congresso a uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O jornal O Estado de S. Paulo procurou as duas campanhas para obter informações oficiais sobre os planos para o novo arcabouço fiscal e não obteve resposta. A reportagem conversou com integrantes da equipe econômica de Lula e de Bolsonaro para aprofundar os rumos das discussões.

No time do ministro da Economia Paulo Guedes, os técnicos do Tesouro Nacional apresentaram internamente uma proposta e a Secretaria de Política Econômica (SPE) antecipou detalhes do seu modelo em evento não oficial. As duas abrem espaço para ampliar gastos em 2023 já contratados, como o Auxílio Brasil de R$ 600, mas mantêm um controle do endividamento por meio de regra de despesa.
O desenho da nova regra do Tesouro é mais rígido. Já a regra desenhada pela SPE é adaptada à estratégia de Guedes de vincular o arcabouço fiscal às privatizações e aos desinvestimentos das estatais.
Do lado da campanha de Lula, uma ala não vê necessidade de nova regra para limitar gastos, já que a responsabilidade fiscal estaria centrada no regime de superávits primários (receitas menos despesas sem levar em conta os gastos com juros). Outro grupo defende a combinação de regra de gasto com crescimento real e meta de primário flexível para acomodar o limite de gasto mesmo com receita frustrada.

Após o teto ter sido furado várias vezes desde que entrou em vigor, em 2017, economistas de fora das duas campanhas têm defendido regras mais simples.
Em entrevista ao Estadão, depois de declarar apoio a Lula, o economista Pérsio Arida defendeu uma regra simples. “Superávit primário, dívida pública são variáveis que dependem de muitos outros fatores. Acho muito ruim prescindir de qualquer regra de controle de gasto“, disse Arida, que defendeu em documento com outros cinco colegas um programa de gastos de R$ 100 bilhões por ano fora do teto até que seja definida uma regra fiscal.
O Secretário de Fazenda de São Paulo, Felipe Salto, avalia que a melhor regra fiscal deve combinar simplicidade, aprendizado com as experiências passadas e algum grau de “contraciclicalidade”. Ou seja, uma regra que permita o aumento de gastos em momentos de queda da atividade econômica.
Seja na eleição de Lula ou Bolsonaro, o economista Nilson Teixeira, sócio da Macro Capital Gestão de Recursos, propõe a volta da regra de metas plurianuais de superávit primário, convergindo para superávit primário de 2,5% do PIB em 2026 e limites para a expansão de despesas, como salários do funcionalismo, gastos com a Previdência, entre outros.
Com Estadão Conteúdo

O Suno Notícias é um portal de informações sobre Mercado Financeiro, Política, Negócios, Economia e Finanças Pessoais.
Notícias Relacionadas
Compartilhe sua opinião


Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 Torre D, 13º Andar, São Paulo – SP, 04543-011
Copyright 2022 © Suno Research
Tudo para você começar o dia um passo à frente

source